HISTÓRIA DO MUNICÍPIO

A colonização começou quando a firma colonizadora Goelzer e Almeida comprou uma área de terra junto ao governo do estado para dividir em lotes rurais. A escritura foi lavrada em 17 de novembro de 1928 no cartório de imóveis de Passo Fundo.

Essas terras foram divididas em lotes e distribuídas as famílias entre elas a Família Fernandes que protagonizou o nome desse município por darem o nome Fazenda Santa Cecília as suas terras.

No inicio da colonização este lugar chamava-se Paiol Grande porque havia no centro da vila um grande galpão que servia de pousada para os tropeiros da época. Pelo ano de 1924 já avia uma sociedade um pouco estruturada e com diretoria formada a qual construiu a primeira capela.

Com a construção da nova capela, foi realizada a primeira festa em 21 de abril de 1930 com missa e benção da imagem da padroeira de Santa Cecília que na época custou o valor de 760,00 (setecentos e sessenta mil réis).

Uma das preocupações dos colonizadores foram as escolas. Não havendo prédios escolares na época, as aulas eram dadas em casas particulares. A primeira escola funcionou na primeira capela, logo após sendo construída a escola que se manteve ate o ano de 1964.

No mesmo ano foi construída pelo governo do estado o primeiro prédio escolar em terreno doado pelos pais dos alunos. Esta escola de 1º grau incompleto levou o nome de Belarmino Américo da Veiga, em homenagem a este que muitas vezes pagou do próprio bolso os professores e ate lecionou. 

A vila Santa Cecília pertencia ao distrito de Água Santa e este ao Município de Passo Fundo. Após a emancipação de Tapejara passou a condição de distrito. Por ser colônia forte e central teve um bom crescimento.

Em 24 de março de 1996 a população aprovou o plebiscito e o governo do estado Antonio Brito vetou. Em 16 de abril a Assembléia Legislativa do RS derrubou o veto do governador e a lei de criação do município foi sancionada pelo Presidente da Assembléia Jose Otavino Germano. A sua instalação ocorreu em 10 de janeiro de 2001.